26 de março de 2012

Bolo de Iogurte e Maçã


[daqui]

Quando comecei a rasgar revistas e a guardar somente as páginas com os temas que mais me interessavam pensei que os arquivos que estava a criar só iriam ter alguma utilidade na minha futura casa. Mas já comecei a dar uso ao arquivo da culinária!

Na semana passada combinei com o meu irmão que, nas tardes de Domingo, fazemos um bolo em casa dos nossos pais.

Para além de passarmos mais tempo juntos, que era uma das minhas resoluções mais importantes para 2012, o meu irmão queria aprender a fazer alguns bolos. Apesar de ser mais novo do que eu, mudou-se de casa em primeiro lugar. No início, a minha mãe ajudava-o a manter a casa organizada mas, entretanto, ele fez questão de aprender a fazer de tudo um pouco, tal como cozinhar, passar a ferro, limpar a casa, etc, etc. Curiosamente, o meu irmão que não gosta muito de doces, além dos bolos caseiros mais simples, tem imenso jeito para os fazer!

Para além de passarmos mais tempo juntos e de ele estar a aprender mais umas coisas novas (no Domingo anterior, aprendeu a separar as gemas das claras), assim que o bolo fica pronto e já está a uma temperatura baixa, partimo-lo ao meio e ficamos, cada um, com uma metade. Assim, nos primeiros dias de cada semana, temos bolo caseiro para juntar à marmita, para além de evitarmos comer bolos de pastelaria e fritos na Faculdade, poupamos mais um pouco.

No fim-de-semana passado fizemos um bolo de iogurte e hoje abrimos o arquivo, no separador dos doces e bolos, e o meu irmão escolheu o bolo de iogurte e maçã. Hoje aprendeu a usar a balança e a descascar e cortar as maçãs! Podem parecer tarefas muito simples mas para o meu irmão, que tem alguma dificuldade a manusear objectos, dão algum trabalho. No entanto, tenho ficado impressionada porque, apesar de no início a tarefa parecer ser um pouco complicada, depois de lhe mostrar como se faz e repetir com as minhas mãos sobre as dele, ele toma o jeito e consegue fazer tudo sozinho! 


Voltando ao bolo, para quem quiser, fica a receita...

Ingredientes:
260 g de manteiga
280 g de açúcar
Raspa de 1 limão
4 ovos
1 iogurte natural
290 g de farinha
1 c. (chá) de fermento em pó
1 c. (café) de canela em pó
2 maçãs Golden
Açúcar em pó


Modo de Preparação:
1 - Juntar a manteiga com o açúcar e a raspa do limão.
2 - Adicionar também os ovos e o iogurte. Mexer muito bem.
3 - Peneirar a farinha com o fermento e a canela e juntar ao preparado inicial.
4 - Cortar as maçãs (sem casca) aos cubos e juntá-las à massa do bolo.
5 - Untar com manteiga e polvilhar com farinha uma forma com 20 cm de diâmetro e levar a cozer a 180ºC, por cerca de 50 a 60 minutos.
6 - Depois de cozido, retirar e desenformar.
7 - Deixar arrefecer e decorar com açúcar em pó.


(hei-de adicionar uma foto do bolo!)

19 de março de 2012

Cá ando eu a Destralhar #1

Nas minhas leituras online descobri o novo blog da Cristina, o Destralhar. Assim que comentei o post sobre as motivações que despertam, em nós, a necessidade de destralhar obtive logo uma resposta. A Cristina perguntava-me se não queria escrever sobre a minha experiência a destralhar. Até agora não tinha feito isso porque não me considero nada um bom exemplo... mas a Cristina referiu que, por vezes, as nossas dificuldades e as soluções que encontramos poderão ajudar outras pessoas a evitá-las ou ultrapassá-las, resolvi então seguir a sua sugestão.

Começo por avisar que tenho um jeito especial para tralhar e não para destralhar! Eu crio ligações com as coisas. Dizem que não precisamos de bilhetes, papéis e outras bugigangas para nos lembrarmos dos momentos realmente importantes mas eu não concordo, inteiramente, com isso.
Durante muitos anos tive o hábito de escrever diários e ir guardando pequenos objectos com um significado especial. Ocasionalmente, volto ao passado quando abro a caixa onde guardo todas essas memórias ou quando leio um pouco de um dos meus diários e relembro coisas que, de outra forma, não conseguiria. E muitas vezes sorrio e revivo momentos que já não poderão voltar ... como poderia abdicar destes objectos??

Outra coisa que alimenta, ainda mais, o meu jeito para tralhar é a minha adoração por objectos de papelaria. Os cadernos, os caderninhos, os post-it, os clips com cores, as borrachas, as canetas bic e as canetas para sublinhar... Tudo isto ocupa muito espaço no meu quarto. Ah, e sou louca por livros! Todos os anos vou poupando dinheiro para fazer umas (grandes) comprinhas na Feira do Livro. No ano passado, este hábito inverteu-se porque atingi a capacidade máxima do meu quarto e de todos os móveis do corredor... Decidi fazer o cartão das bibliotecas e desde então passei a requisitar mais e a comprar menos. Para além disso tenho vendido livros técnicos e romances em leilões e troco livros através do Bookmooch.

Para terminar falta falar das revistas. Eu envergonho-me do dinheiro que devo ter gasto nelas... Sempre gostei de comprar revistas femininas, de culinária, de livros e ciência. Todos os meses e durante muitos anos lá ia eu até ao quiosque... Criei uma grande colecção! Não fui deitando fora porque muitos dos artigos eram intemporais e achava que poderia sempre voltá-los a ler. Quando é que isso aconteceu? Nunca. Mesmo assim não me consigo livrar (completamente) delas.

A minha experiência a destralhar começa precisamente nas revistas! Num destralhamento ideal suponho que a solução seria agarrar nelas e levá-las directamente para o papelão. Eu não consigo fazer isso. Quer dizer, conseguir consigo mas se calhar não quero. Passo a explicar...
No caso das revistas de culinária acho que seria um desperdício. Eu adoro cozinhar e comer. E agora que vou ter a minha cozinha, não faz sentido deitar fora todas as receitas que gostaria de experimentar. Decidi, então, criar um arquivo delas.
Não faz sentido ocupar espaço nem com páginas de publicidade, nem com receitas de alimentos que não gosto ou não posso comer por isso ponho, todas essas páginas, na reciclagem. Esta organização tem tomado um pouco do meu tempo mas acho que vai valer a pena! Por outro lado, deixei de comprar revistas de culinária porque, para além de ter dois dossiers cheios de receitas, qualquer outra que queiramos encontra-se à distância de um clique.

O passo seguinte no destralhamento destas revistas será ordená-las por tipo de receita: entradas, sopas, saladas, marisco, peixe, carne e sobremesas. Mais tarde, à medida que as for experimentando, deito-as fora ou passo-as para o computador, consoante as for apreciando ou não. 

Estes têm sido os meus primeiros passos a destralhar... e, vocês, como se iniciaram neste desafio?

18 de março de 2012

A montar a casa... Parte II

Trago mais umas novidades da minha futura casa!


Ontem, de manhã, recebi todos os electrodomésticos que comprei nas campanhas dos descontos de 100€ por cada 500€ gastos, tanto da Worten como da Radio Popular.

Entretanto, fui hoje ao Aki encomendar as cortinas de rolo para a cozinha que lá tinha visto há uns tempos. Não sei se se lembram mas tinha, inicialmente, desistido destas porque a encomenda demorava um mês a ser entregue só que, depois de alguma procura, cheguei à conclusão que o Aki tem mesmo a melhor relação qualidade/preço, daí ter mudado de ideias. As cortinas ficaram em 350€, aproximadamente.

Depois hei-de tirar fotos à cozinha assim que as cortinas estejam colocadas para partilhar convosco o resultado final mas, para ficarem com uma ideia do modelo que escolhi, vejam o exemplo superior desta foto:

http://casadaidea.com.br/


No caso concreto que escolhi, o tecido é da mesma cor mas um pouco mais opaco porque na direcção das janelas da minha futura cozinha existe outro prédio de dez andares e eu não queria ter nem vista para os vizinhos nem que acontecesse o contrário...

Como as cortinas são para a cozinha, escolhi um material que é, facilmente, lavável. Basta um pano com água e sabão neutro!


Agora segue-se a decoração de interiores do quarto principal e da sala. Tenho visto algumas revistas e sites de decoração e já tenho uma ideia, mais ou menos abstracta, daquilo que pretendo. Identifico-me, principalmente, com cores claras e mobília simples mas não me revejo no minimalismo no que toca à decoração em qualquer destes exemplos, que encontrei no blog Apartment Therapy. Não gosto de divisões cheias de mobília e quinquilharia mas os espaços demasiado vazios também não me atraem.

Agora resta encontrar um meio-termo que me deixe feliz...


16 de março de 2012

You won't miss these #5

Hello!

Estava aqui na minha pausa entre o almoço e uma tarde de estudo e, enquanto lia os post mais recentes dos blogs que sigo no Google Reader, encontrei um que tinha mesmo de partilhar convosco! 

  • Produtos de Limpeza Caseiros
É um post do blog Da Semente à Árvore, escrito pela Sílvia, que apresenta imensos produtos de limpeza para a casa que se podem fazer facilmente com ingredientes como a água, o sabão, o limão e o bicarbonato de sódio. 


from: Da Semente à Árvore



Espreitem-no aqui!

15 de março de 2012

Hoje decidi poupar no tarifário!

Hoje resolvi mudar de tarifário. 

Eu não sou muito fã dos telemóveis. Para mim, basta que tenham o essencial que passa por fazer e receber chamadas, enviar e receber mensagens e ter alarme (o meu despertador era do chinês por isso vi-me livre dele). E qualquer telemóvel possui estas três funções.

Também não tenho muita paciência para falar durante muito tempo ao telefone e se tenho andado a fazer algum esforço para poupar pensei por que raio tenho eu um tarifário que me obriga a fazer carregamentos mensais de 12,50€ se nem os vou gastando (tinha cerca de 70€ acumulados no cartão)?


Nem pensei segunda vez... telefonei para a tmn e mudei de tarifário. Escolhi um pré-definido que não tem carregamentos obrigatórios, tenho apenas que receber uma chamada por cada três meses para manter o cartão activo.


Bem sei que muita gente tem dois ou três telemóveis e que não acham ser possível gastar menos de 50€ por mês. Eu acho isso uma loucura. E só de pensar que o tarifário anterior representava um gasto de 150€ por ano (= 12*12,50€), agora, que mudei, até me sinto aliviada. É que não estamos a falar de uma poupança de 150€ por ano mas sim 150€ por telecomunicações por ano! Imaginem o que era conseguir poupar esta quantia por cada tipo de gasto... nas compras no supermercado, nos restaurantes, na gasolina, etc, etc... Tudo somado teria um enorme impacto!

Como faço poucas chamadas e acabo por comunicar por telemóvel através de (poucas) mensagens, algo me diz que não vou ter de fazer um próximo carregamento assim tão cedo...


E vocês, gastam muito em chamadas por mês?

13 de março de 2012

Como planear as compras de supermercado

[daqui]
Como já vos contei, na sequência de ter conhecido o sistema dos envelopes, conheci o programa “America´s Cheapest Family”. E, entretanto, comecei a ler o segundo livro deles: “Cut Your Grocery Bill in Half”.

Cá em casa, as idas ao supermercado ou hipermercado são tarefas divididas por todos. O meu pai vai ao Continente, uma vez por mês, para repor o stock, a minha mãe vai ao Pingo Doce uma vez por semana comprar os frescos, peixe ou carne e eu vou ao Continente fazer as compras de emergência ou para aproveitar os vales de 5€, no caminho da faculdade para casa.
Este hábito já se mantém há muitos anos e, por isso, acabo por ter uma boa noção dos preços médios de todos os artigos que se compram cá em casa.

Quando mudar de casa, as compras vão ser feitas todas por mim. Como sei que a alimentação representa uma fatia importante nos encargos domésticos, comecei a pensar em estratégias que permitissem poupar nesta área.


Escolha do Supermercado ou Hipermercado

Na minha opinião, deslocarmo-nos a supermercados ou hipermercados relativamente longe de casa ou do trabalho apenas com esse intuito não compensa o gasto da gasolina, que está constantemente a aumentar, nem o tempo perdido nos trajectos, que ninguém me pode devolver, quando só alguns artigos são mais baratos!

Comecei então por pensar nos supermercados que tenho mais perto da minha futura casa (e, com “perto”, refiro-me a locais onde possa ir e voltar a pé sem que o transporte de três ou quatro sacos de compras represente uma tortura). Apercebi-me que só tenho um: o Pingo Doce.
Para os artigos pesados existem duas opções: uma ida de carro ao supermercado (que eu queria mesmo evitar...) ou uma encomenda feita online. Fui espreitar o site do Continente e verifiquei que no caso da compra ser de valor inferior a 200€, a taxa de entrega é de 3€, caso a entrega possa ser feita das 8:30 às 18H de qualquer dia útil ou no Sábado. Pelo tempo poupado e gasolina que não gasto nas deslocações, não me parece mal (só resta confirmar a qualidade dos artigos e a sua pontualidade...).


Escolha dos Produtos Alimentares e Outros

Geralmente opto por produtos de marca branca que representa, imediatamente, uma grande poupança em qualquer ida às compras. De memória, são apenas oito os artigos que não compro de marca branca, com receio de que a qualidade não se mantenha: o leite, a manteiga, o queijo, o azeite, o café, o chá, a pasta de dentes e o champô.
Para além de preferir as marcas brancas, decidi criar uma pequena tabela onde vou registando os principais produtos que compro, o local e o preço mais baixo que já encontrei. Pensei apenas nestas três colunas para começar porque quero manter tudo bem simples.

Como vou guardando os recibos dos supermercados foi fácil criar uma tabela base. Já tenho uma folha A5 preenchida com os produtos e respectivos preços, que pretendo utilizar sempre que vou às compras. A minha ideia é a seguinte: apenas compro um determinado produto se estiver a um preço igual ou mais baixo do que aquele que tenho registado na tabela.


Impacto do planeamento de refeições na conta do supermercado

Quando peguei no livro “Cut Your Grocery Bill in Half” já tinha tudo isto pensado e a tabela criada. Estou agora no segundo capítulo e até agora sugeriram apenas uma coisa que não me tinha ocorrido por isso não devo estar a planear assim tão mal. No livro referem que, para se poupar nas compras, é necessário planeá-las e para planeá-las terá de ser feito um planeamento das refeições para o mês. Para mim e para todas as pessoas que nunca fizeram isto, criar uma ementa mensal poderá ser um desafio demasiado grande por onde começar. Por isso, sugerem começar por criar uma ementa semanal.

Pessoalmente, a ideia de criar uma ementa semanal ou mensal parece ser uma grande seca. Mas tenho de concordar com algumas vantagens que apontam no livro:

  • reduz o stress relacionado com decidir, à última da hora, que refeição fazer;
  • diminui as idas de última hora a restaurantes ou cadeias de fast-food, ou ainda pedidos de entrega em casa (exemplo: pizzas), consoante os gostos e bolsos, e respectivos gastos.

Para criarmos uma ementa semanal ou mensal organizada, o livro tem uma tabela para esse efeito com apenas duas colunas. A primeira para a data e a segunda para a refeição. Esta tabela pode, por isso, ser rapidamente criada numa folha de excel ou à mão por qualquer pessoa. O mais difícil será preenchê-la... digo eu!

9 de março de 2012

A montar a casa... Parte I

Esta última semana foi um verdadeiro desafio. Quase nem tenho tido tempo para respirar.

O fim-de-semana tem sido reservado para limpar a casa, fazer mudanças e comprar electrodomésticos. Para além de ter aproveitado a campanha da Worten em que por cada 500€ de compra recebia-se um vale de desconto de 100€ descobri, por mero acaso, que a Rádio Popular também tinha a mesma campanha a decorrer.
Acabei, então, por usufruir das duas campanhas escolhendo a loja consoante o preço e disponibilidade do artigo que pretendia e acumulei um vale de 400€ na Worten e 300€ na Rádio Popular.

Na minha ingenuidade pensei que seria muito difícil atingir estes valores e que provavelmente iria utilizar o excedente para comprar prendas de anos e Natal e uns livros para mim.

Mas enganei-me redondamente...

Os 700€ foram, rapidamente, gastos em:

  • varinha mágica
  • máquina 1,2,3
  • ferro de engomar
  • balança de cozinha
  • máquina de fazer pão
  • aspirador
  • mini-aspirador
  • picadora e liquificadora
  • batedeira
  • torradeira
  • cafeteira eléctrica
  • mini-aparelhagem
  • grelhadora
  • duas máquinas de calcular gráficas
  • leitor mp3 com microfone

Nem todos os pequenos electrodomésticos são essenciais numa casa mas, por exemplo, no caso da máquina de fazer pão já era um desejo de alguns anos e não pude deixar escapar esta oportunidade para adquirir uma! Só posso dizer que estas campanhas vieram mesmo a calhar! Quanto ao atendimento, gostei muito mais do pessoal da Rádio Popular, foram super simpáticos e muito prestáveis.

Para além destas compras, consegui finalmente desocupar três estantes de livros do meu quarto (cada estante tem duas filas de livros...) e já limpei duas divisões da casa!

Os electrodomésticos chegam na próxima semana mas ainda não tenho a questão dos estores da cozinha resolvida...

Como vos tinha contado, devido ao tempo que o Aki demorava a entregar as japonesas (cerca de um mês), fui até outra loja que os meus pais conheciam. Fiquei com a indicação de que, assim que a encomenda fosse feita, demoraria apenas uma semana para os estores de rolo (explicaram-me que esta é uma melhor opção para a cozinha) ficarem prontos. O problema é que custam 4x mais! Recebi ontem o orçamento e ia caindo para o lado.
A opção mais barata, e que fica a um preço semelhante aos estores no Aki, são os estores venezianos mas eu não gosto minimamente desta opção...

Estou tão arrependida por não ter feito a encomenda no Aki...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...