31 de janeiro de 2012

De regresso ao mealheiro

Depois de ponderar os pós e contras decidi que, a partir de amanhã, passo a deixar o cartão em casa e faço as compras a dinheiro. Quero verificar se esta alteração de hábitos tem algum efeito pelo final do mês. A minha ideia é definir uma quantia mensal que posso gastar, dividi-la pelas semanas do mês em questão e colocar esse valor na carteira no início de cada semana. Em cada domingo se restarem trocos vão para o mealheiro. 

Decidi fazer isto porque sempre que chego ao fim do mês restam-me 0 cêntimos na conta à ordem... Mesmo que vá controlando os gastos, quando falta pouco para o mês acabar olho para essa quantia poupada e decido comprar um mimo. Só que, por vezes, ganho algum entusiasmo e o mimo transforma-se numa tarde de compras... Já quando era pequena, a minha mãe dizia que não podia levar-me com ela até ao supermercado porque, quando eu ia, acabava por gastar muito mais. Ir às compras está-me no sangue.. mesmo que seja apenas para comprar um pacote de cereais! É claro que com os cereais, vem o leite e com o leite o açúcar e o café and so on.

Com o mealheiro não vou ter coragem para fazer o mesmo. Desde pequena custa-me imenso retirar as poupanças do mealheiro mesmo que o objectivo dessa poupança fosse precisamente comprar algo. Acabava sempre por pensar que poderia aparecer outra coisa de que gostasse ainda mais e continuava a poupar. Isto fez com que ainda no secundário já tivesse uma conta a prazo de que me podia orgulhar. Com o dinheiro à ordem, que está à distância de quatro dígitos, sempre tive dificuldades em poupar. Daí ter decidido cortar o mal pela raiz e voltar a utilizar o mealheiro. 

No final de cada semana, hei-de partilhar convosco o que consegui poupar.  Vamos lá ver se a história do mealheiro ainda resulta!


O mealheiro ainda tem lugar nas vossas casas?

30 de janeiro de 2012

5 dicas para poupar no supermercado

by Mr. Mark
Existem determinadas contas que não se podem evitar. Todos nós precisamos de água, electricidade e, entre outras, ir ao supermercado, seja uma vez por semana ou uma vez por mês. No entanto, há escolhas que se podem fazer para gastar menos. Existem, cada vez mais, vales de desconto, promoções seja na versão "leve 2, pague 1" ou associadas a um cartão e, para além disso, podemos planear cada ida ao supermercado de forma a trazer tudo aquilo que precisamos mas gastando menos.

Deixo-vos aqui cinco sugestões de como planear cada ida ao supermercado, gastando o menos possível:

1. Fazer uma lista de compras. Se em casa tivermos a despensa bem organizada é possível fazer, rapidamente, uma lista com os artigos que são realmente necessários, evitando a acumulação de produtos alimentares e, portanto, os desperdícios devido às datas de validade.

2.  Utilizar os vales de desconto e aproveitar as promoções.  Ainda em casa, deve-se consultar o folheto do supermercado - quase todos têm esse folheto disponível na sua página de internet - e verificar se algum dos produtos comprados regularmente constam nesse folheto. Se a data de validade desse produto tiver alguma margem, deve ser adicionado à lista mesmo que ainda haja em casa. Quanto aos vales de desconto, o maior cuidado a ter é organizá-los por data de validade e começar por aqueles que têm uma data mais próxima.

3. Optar pelos produtos de marca branca.
Quando optamos por produtos de marca branca, é possível encontrá-lo por metade do preço. Regra geral, a qualidade deste é semelhante à dos produtos de marca isto porque, muitas vezes, um produto que é vendido sob a marca de um supermercado é, na realidade, de uma outra marca que fez acordo com o supermercado.

4. Não utilizar o carrinho ou o cesto de compras.
Sempre que o objectivo é comprar poucos artigos, deve-se ir directamente aos corredores pretendidos e daí até à caixa. Quando se leva um carrinho ou um cesto de compras, a tentação de comprar artigos extra é maior porque, desta forma, são fáceis de transportar e não estão limitados à capacidade das nossas mãos e/ou truques de equilíbrio.

5. Não levar crianças.
Muitas vezes fica difícil recusar a uma criança um pacote de batatas-fritas, um pacote de bolachas ou o brinquedo que o amigo tem, os pais acabam por ceder para evitar uma birra, tornando o objectivo inicial, poupar, numa tarefa quase impossível.
A partir de certa idade, quando a criança já sabe fazer contas, já deve ser incluída nas idas ao supermercado para que aprenda a poupar, desde cedo, com os pais e para compreender uma das utilidades da matemática.

29 de janeiro de 2012

You Won't Miss These #4

Continuando o assunto de hoje, as poupanças, trago algumas sugestões de blogues que tenho seguido e cujas dicas me têm dado muito jeito! 
Espero que gostem destas três sugestões:



Este blogue é escrito pela Cristina e tem sido um verdadeiro sucesso. É recente e já teve direito a grandes mimos, foi destaque da equipa Sapo e agora é notícia na Revista Pública. A Cristina mantém um blogue super actualizado, partilha com os seus leitores formas de poupar desde as suas dicas, os vales de compra, as amostras grátis a outras oportunidades que vai descobrindo.




O blogue Criatividade em Movimento é escrito pela Orquídea e encontra-se, também, alojado na Sapo. Este é um blogue onde, para além de encontrarem dicas para poupar, vales de desconto, promoções e outros semelhantes, tem um espaço dedicado a temas como a reciclagem, os produtos verdes, a cozinha e os trabalhos manuais criados ou sugeridos pela própria Orquídea. Tudo coisas que eu adoro :)





Dos três, o blogue Tralhas Grátis é aquele que sigo há mais tempo. Funciona como um agregador de todos os passatempos que existem na internet desde livros, a ante-estreias, jogos, viagens, you name it. Têm ainda um fórum associado onde os leitores partilham os passatempos que vão encontrando ou oportunidades de receber amostras de perfumes ou cosméticos em casa, de forma gratuita. Desde que conheço o Tralhas Grátis, já ganhei várias ante-estreias, tenho uma estante dedicada a livros ganhos em passatempos e tenho experimentado muitos produtos através das amostras sugeridas no fórum. Esta é outra forma para o mesmo objectivo: poupar.


Visitem as sugestões, valem muito a pena! E se conhecerem outras, partilhem aqui.

Obrigada!

Ideias para Poupar nas Contas de Casa

 by Alan Cleaver
Faltam apenas três dias para o início de Fevereiro e existem duas coisas que me preocupam com a chegada desse mês e ambas relacionam-se com a minha mudança de casa. Uma delas tem dado azo a alguns pesadelos: os elevadores. Mas não é este que venho partilhar hoje convosco. 
A outra questão que me preocupa é o dinheiro. Será que vai ser suficiente? Será que vou conseguir poupar?

Por um lado não acho que seja uma preocupação "válida" porque tenho dois pais que sempre trabalharam e sempre compraram todas as coisas de que precisei. Nunca senti a crise na pele, enquanto todos os dias passo por um número relevante de mendigos na rua e sei que existem milhares de desempregados com filhos para criar. Tenho plena consciência de que, sem os meus pais, as coisas seriam bem diferentes para mim.


Entretanto vou mudar de casa e, pela primeira vez na vida, terei contas para pagar:
  • Gás, 
  • Electricidade, 
  • Condomínio, 
  • Tv/Telefone,
  • e todas as outras que vocês conhecem bem melhor que eu. 

E essa é talvez uma das razões principais do meu medo: o desconhecido. Eu não sei, por exemplo, o que é uma conta de electricidade "normal", "baixa" ou "alta" por pessoa.

Enquanto estudo a tempo inteiro e trabalho de graça em investigação, recebo uma mesada do meu pai. Se não ocorrer nenhum imprevisto, suponho que isto se mantenha até conseguir ser financeiramente independente dos meus pais. Mas, como não sou do género de pessoa que se encosta à bananeira, a minha intenção é voltar a dar explicações e ir arranjando outras formas de ganhar uns trocos (seja como babysitter, a passear cães, alguma coisa se há-de arranjar, espero eu...). E, simultaneamente, vou tentar poupar ao máximo. Presumo que esta venha a ser a parte mais complicada da coisa.

Quanto às contas certas da casa já decidi passar o meu primeiro mês a fazer tudo como sempre fiz e ver quanto é a conta pelo final do mês.
A partir daí, vou fazendo pequenas mudanças para ver se consigo poupar, sem chegar ao extremo de andar com uma vela pela casa de noite... até porque esse é outro assunto que me preocupa: a noite.
A solução que mais me agrada seria ir recolher, a um canil ou instituição, um cão bem grande e preto que meta respeito mas apercebo-me, agora, que quanto maior for, mais dinheiro devo gastar na comida e vacinas...
Sinceramente não sei se estou a ficar maluca ou se isto são as preocupações normais de uma pessoa que paga contas.

Eu sou, por norma, uma pessoa poupada na água, na electricidade e no telemóvel. Só a gasolina é que fica mais difícil mas também tenho arranjado formas de poupar...


O que eu prevejo que se torne mais difícil poupar é o que gasto em:
  • compras para a casa, 
  • refeições que tomo na faculdade, take-away e restaurantes, 
  • em livros, 
  • produtos de beleza, 
  • roupa, malas e sapatos. 

Para poupar já pensei nas seguintes soluções:
  • fazer as refeições em casa e levar para a faculdade
  • reduzir o restaurante a uma ida por mês
  • eliminar, de todo, o take-away (vou criar excepção para os iogurtes e sundaes do Mac.)
  • vou estar (ainda) mais atenta às promoções nos supermercados e talvez passe a comprar através do continente online para poupar gasolina e tempo (mais em "5 dicas para poupar no supermercado")
  • quanto aos livros, vou tentar limitar-me à biblioteca da faculdade e ás bibliotecas públicas de Lisboa
  • vou começar a fazer alguns produtos de beleza com produtos caseiros (fica muito mais barato, é mais saudável e é uma das formas de reduzir a pegada ecológica)
  • por fim a roupa, acessórios, etc. vou fazer um grande esforço para deixar de comprar em quantidade e passar a comprar pouco e de qualidade
O meu objectivo principal é manter os gastos sempre bastante abaixo da mesada que vier a receber para conseguir poupar. Tenho lido algumas coisas sobre poupanças e muitas pessoas definem uma percentagem para cada tipo de gastos e para amealhar...


O que fazem para poupar nas contas certas do final do mês? Conseguem poupar?
Mais blogues sobre como poupar aqui.

26 de janeiro de 2012

Livros Gratuitos

Decidi criar uma base de dados para os e-books e semelhantes que vou encontrando na internet de temas que acho interessantes. Todos eles são de download gratuito por isso, sirvam-se à vontade!

Deixo-os organizados por tópicos e vou actualizando a lista sempre que se justificar.


Culinária:


Medicina Alternativa:



Minimalismo/Organizar a Casa:



Pegada Ecológica:


A lista ainda está no início mas pretende-se grande para partilhar!
Por isso já sabem, se conhecerem outros e-books de download gratuito partilhem também para poder adicionar!

Thank u!

Procuram-se perfumes florais!


Depois de uma gripe me ter feito refém em casa dos meus pais, pude finalmente sair à rua. Para não abusar da sorte a saída foi de curta duração e os cuidados resumiram-se a uma escovadela pelo cabelo e umas gotas de perfume, em locais estratégicos. Nisto apercebi-me de uma coisa que achei curiosa. 

Regra geral, pertenço ao grupo das pessoas que gostam de experiências novas, gosto de conhecer todos os cantinhos de Portugal, gosto de conhecer pessoas novas, outras culturas, gosto de experimentar a gastronomia dos diversos países. No supermercado, gosto de experimentar os novos sabores de iogurte ou de cereais, os novos chocolates e as novas bolachas. Sou uma curiosa e nada adepta da famosa expressão "equipa que ganha não se mexe".

Mas afinal não era bem assim. Reparei que sou uma cliente muito leal no que toca a perfumes.


Reparei que tenho os meus preferidos, cinco para ser mais precisa, já há uns quinze anos! 
Eu não percebo nada desta matéria mas, mais uma vez, a curiosidade mandou ir investigar. 

Os meus cinco perfumes preferidos deverão ter um denominador comum... e, a partir daí, suponho que as idas às perfumarias se tornem mais fáceis. É tanto perfume, tanto cheiro que às tantas estou embriagada e desesperada por respirar, profundamente, o ar exterior.




1. Miracle, Lancôme.

Família olfativa: Floral. 
Notas de Cabeça: Essência de pimenta.
Notas de Coração: Peónia.
Notas de Fundo: Âmbar.


2. Esencia de Duende, Jesus Del Pozo

Descrição Olfativa: Floral Fresco.
Notas de Cabeça: Coriandro, Mandarina, Toranja, Bergamota
Notas de Coração: Jasmim, Jacintos Orientais, Lírio do Vale, Flôr de Lótus, Rosa
Notas de Fundo: Sândalo, Cedro, Mogno


3. Ode à L'amour, Yves Rocher

Família Olfactiva: Âmbar Frutado.
Notas de Cabeça: Groselha preta, Ameixa.
Notas de Base: Âmbar, Sândalo.


4. Weekend, Burberry.

Descrição olfativa: floral cítrico. 
Nota de Cabeça: Tangerina, Seiva Verde, Seiva Resedá. 
Nota de Coração: Canela Vermelha, Jacinto azul, Rosa selvagem, Flôr de Pêssego, Íris, Nectarina. 
Nota de Fundo: Sândalo, Cedro, Almíscar


5. Glamour, O Boticário

Família Olfativa: Floriental Ambarado 
Saída: Mandarina, Neroli e Ameixa. 
Corpo: Black Lilac, Íris, Acácia, Flor de laranjeira, Canela do Ceilão. 
Fundo: Musk, Vanila, Sândalo, Patchouli.
Curiosidade: O criador é o mesmo de Miracle, Lancôme (!); Ck One, Calvin Klein; Flower by Kenzo.




Baralhando e concluindo, da próxima vez que entrar numa perfumaria peço por um floral, com notas de fundo de sândalo, cedro e âmbar. Quanto às descrições restantes, só levando-as numa lista em forma de pergaminho...


Quais são os vossos perfumes preferidos? Temos algum em comum?


24 de janeiro de 2012

Papel por Alimentos

Soube agora de uma iniciativa do Banco Alimentar Contra a Fome, através do blog Este Blogue Precisa de um Nome, muito interessante.

Resumindo a campanha, que decorre em parceria com a Quima, eis como funciona: por cada tonelada de papel (jornais, revistas, cadernos, papel imprimido) entregue nas instalações do Banco Alimentar Contra a Fome, a Quima faz uma entrega de bens alimentares equivalente a 100€.

Mais sobre esta campanha aqui.

22 de janeiro de 2012

Perder peso como prova de amor... por ti.



Dado que a população tem, em média, um peso acima do intervalo considerado saudável, há cada vez mais pessoas que querem emagrecer. Pondo de parte as razões que estão na origem do excesso de peso, sempre que há uma tomada de consciência da situação e um desejo em alterar o rumo, até então seguido, é muito importante que cada um reflicta sobre o seu objectivo.

Quantos de nós temos várias tarefas e objectivos que queremos alcançar e, dia após dia, parece ficar tudo na mesma? Acumula-se trabalho, o dia tem um número de horas finito e o cansaço toma conta de nós.


Começar uma dieta não é apenas mais um objectivo. 

Por exemplo, se eu quiser aprender a tocar guitarra, irei gastar uma quantia inicial no instrumento, numas pautas e numas quantas lições. Se mais tarde desistir, poderei arrepender-me pelo investimento que fiz, monetário e de tempo pessoal que foi perdido. Mas ganho - com sorte - algum conhecimento e é sempre uma nova experiência que não há-de trazer grande mal ao mundo - no máximo, só os amigos e os vizinhos sofrerão com as notas desafinadas.

Numa dieta, as coisas não funcionam bem assim. Quando se começa uma dieta, para depois parar e recomeçar e desistir mais uma vez, a saúde é colocada em questão. Não apenas porque se perde e ganha peso sucessivamente mas também porque, cada vez mais, são criadas "dietas" sem qualquer fundamento científico. Regra geral, todos nós queremos ver os resultados e quanto mais depressa melhor. A resposta a esta procura, muitas vezes desesperada, é uma oferta descontrolada e não regulada de "planos de dieta", pílulas de emagrecimento, aparelhos que prometem milagres, resumindo, publicidade enganosa e perigosa.

Não sou fundamentalista mas também não concordo com muita coisa que vou lendo em sites e blogs de pessoas que vão "experimentando" dietas. Para seguir uma dieta saudável é importante respeitar a saúde e o funcionamento do corpo que, por si próprio, quer emagrecer. O organismo pode ser visto como um conjunto de reacções que ocorrem para que tudo funcione da forma mais eficiente e o excesso de peso, ou o peso a menos, dificulta essa principal função do organismo. Resta ao seu dono ou sua dona, facilitar-lhe esse caminho.


Perder peso é uma prova de amor e de respeito por ti.


21 de janeiro de 2012

Owen & Mzee. Histórias que inspiram...

What is friendship, but a single soul dwelling between two bodies...~ Aristotle 


Owen & Mzee @ Haller Wildlife Park, Mombasa, Kenya

Decorria o ano de 2004, mais precisamente a madrugada do dia 26 de Dezembro, quando ocorreu o terceiro maior terramoto, registado por um sismógrafo. O epicentro, localizado na costa oeste de Sumatra, na Indonésia, gerou ondas com alturas até 30 metros. Este sismo acabou por provocar uma série de replicas, em pontos muito distantes do epicentro (ex.: Alaska) tendo, em conjunto com o sismo principal, originado a morte de, aproximadamente, 230.000 pessoas num conjunto de catorze países.

Creio que todos nós guardamos na memória imagens muito violentas, que passavam constantemente, em todos os telejornais nesse dia e semanas seguintes.
Por mero acaso, soube de (mais) uma história que decorreu desta tragédia e me emocionou. Desta vez a história vinha sob a forma de quatro patas.

A vida animal, como devem calcular, foi também muito afectada, várias espécies de milhares de animais foram mortas num só dia. 

Nesta tragédia, houve um bebé hipopótamo que ficou separado da sua família, tendo sido arrastado ao longo de um rio até ao Oceano Índico. Este bebé hipopótamo foi, entretanto, salvo e transportado até ao Haller Wildlife Park, um santuário de vida selvagem em Mombasa, no Kenya. 

Assim que se ambientou, correu até uma tartaruga gigante chamada Mzee (significa "homem idoso") de 120 anos. Em poucos dias, tornaram-se amigos inseparáveis, comendo e dormindo juntos. O bebé hipopótamo, apelidado de Owen, foi visto, diversas vezes, a lamber a tartaruga, considerando-a então como sendo a sua nova mãe, apesar da tartaruga ser macho. Aprenderam a comunicar um com o outro, através de sons que emitiam e permaneceram juntos no parque natural até 2007.

Entretanto a Mzee e o Owen foram separados devido ao instinto excessivamente protector de Owen, que dificultava, muitas vezes, o tratamento de Mzee. Apresentaram ao Owen, antes dessa separação, uma hipopótamo adulta que tinha perdido o seu único companheiro, há sete anos atrás, e que desde então não socializava. O Owen conheceu a Cleo através de uma cerca, sendo o objectivo a longo prazo, ter os três a viver juntos, respeitando-se mutuamente.


Imagens retiradas do documentário de Owen & Mzee

Mais sobre a história de Owen e Mzee neste espectacular documentário - Owen & Mzee. The True Story of a Remarkable Friendship - de download gratuito.


Eis algumas das frases que achei inspiradoras no documentário!:
  1. "At least, two animals maybe have a spirit of love. It's not very easy for one to stay with another but I know these two have managed."
  2. "I think it gives people hope that these relationships can happen. The world is breaking down (...) all around us, with the horrible things that are happening, that something so beautiful can still happen."
  3. "If a turtoise can go together with a hippo, maybe a Christian can go together with a Muslim."
  4. "Science can't always explain what the heart already knows. Our most important friends sometimes find us when we least expect them. (...) as Owen and Mzee have already shown us, anything is possible.."

20 de janeiro de 2012

O Verde Menta na Primavera/Verão de 2012.

Hoje, na minha ida aos saldos, reparei que as cores da colecção Primavera-Verão 2012 já predominam na maioria das lojas: 
  • as cores pastel (verde menta, rosa blush e lavanda);
  • o branco integral;
  • o azul klein;
  • o laranja tangerina.

De todas estas cores, acho o verde menta a mais difícil. 

Mesmo assim encontrei, na Primark, uma peça em verde menta que adorei! Comprei uma camisola em tricot que deverá ser a excepção verde do meu armário! Gostava de vos mostrar mas não encontrei a colecção no site (!), talvez tire foto amanhã para partilhar aqui :)

Entretanto, encontrei esta foto da Brittany e decidi partilhá-la convosco porque fiquei admirada como um pormenor numa determinada cor pode fazer uma diferença tão grande. O mesmo verde que dizia há pouco ser tão difícil, surge agora num apontamento lindo. Os brincos, no formato lágrima, tanto contrastam com o vestido e o tom de pele dela como evidenciam, ao mesmo tempo, os seus olhos.


Brittany Snow from [here]


Pequenos apontamentos fazem mesmo a diferença!


Apesar de não me vestir de acordo com as tendências (tanto tenho peças da nova colecção como peças que já eram da minha mãe), gosto de conhecer as novidades que cada estação nos traz e descobrir estas pequenas surpresas!

Para além da camisola que comprei, depois de ver o poder desta cor, fiquei com vontade de a experimentar em acessórios ou verniz... que acham?

Pequena adenda: já actualizei o número de sacos de plástico recusados!

19 de janeiro de 2012

Sacos de Plástico. Quantos conseguimos rejeitar?

Qualquer produto que se compre, seja pequeno, seja grande, é imediatamente colocado num saco de plástico numa fracção de segundo. De fora ficam apenas os sacos dos super ou hipermercados que são cobrados, forçando a pergunta: quantos sacos quer?
 
Apesar de saber que os sacos de plástico são uma ameaça ao ambiente e muitas vezes recusar o dito cujo,  a quantidade de sacos que entram em casa é incrível!

Ontem fui espreitar os saldos...

Comprei uma mala, que foi rapidamente colocada num saco. Entrei em mais algumas lojas já com a ideia de que se comprasse mais alguma coisa iria para o mesmo saco. No entanto, as raparigas da caixa têm uma prática que conseguem pegar num saco, abri-lo e colocar lá dentro os artigos comprados. 
Eu nem vi a coisa a acontecer. Mesmo assim, convicta das minhas ideias, agradeci o saco e disse que já tinha um. A rapariga deve ter sido apanhada de surpresa e bloqueou mas a minha missão estava cumprida.

Para reduzir a minha pegada ecológica, vou:

1 - Colocar dois sacos grandes e resistentes, semelhantes aos da reciclagem, no carro para as compras de supermercado
2 - Colocar um saco de plástico nas duas malas que utilizo mais, para qualquer compra inesperada.
3 - Estar atenta e recusar todo o saco de plástico que ofereçam.

18 de janeiro de 2012

Se "destralhar" existe, foi isso que comecei a fazer!

Como sabem tenho andando a ler o livro The Power of Less para ajudar a minha mãe na tradução. Ainda estamos nas primeiras páginas mas já me sinto inspirada. 
Em paralelo, acerca deste tema, tenho lido e relido o blog da Rita e ontem foquei-me num dos últimos artigos, o "5 coisas que pode fazer já para se tornar mais minimalista". 

Eu não sei qual é, exactamente, a definição de minimalismo. Compreendo o conceito mas não sei até que ponto é necessário ir para podermos definir alguém como sendo "minimalista" mas, de qualquer forma, muitas das ideias sugeridas pela Rita estão em concordância com o caminho que eu quero tomar. Passei então à prática.

Ontem comecei por duas das sugestões da lista das 5 coisas (...).


No meu saco azul de reciclagem de papel parece que ontem acumulei, segundo o L., uns sete quilos só das revistas, jornais e outros semelhantes que tinha no meu quarto! Não me livrei completamente delas, guardo sempre as receitas, os artigos sobre viagens (é sempre bom sonhar!) e dicas interessantes num dossier. Hoje vai direito para a reciclagem e retomo a tarefa.



E ainda sobrou tempo para mais! Juntei 2 sacos de roupa (minha e do L.) para dar (à direita na foto), três sacos de roupa, malas e calçado que já estava tão velhinho que nem para dar serve (a meio na foto) e outros dois sacos com peças de roupa e acessórios praticamente novos que irei tentar vender (os da esquerda). Agora que está feito, até parece que foi fácil mas a verdade é que tenho alguma dificuldade em desapegar-me das minhas coisas. Sempre que pego numa peça de roupa, lembro-me dos tempos em que a vestia, das memórias mais felizes que tive com elas vestidas. Ainda penso se não posso aproveita-la para qualquer função mesmo quando o tecido já está muito gasto, isto apenas para ter uma desculpa para não a deitar fora. 

Como sei que é uma tarefa difícil para mim, prefiro fazê-la com alguém ao meu lado. Ao ouvir uma opinião objectiva, acabo por ceder e interiorizar que não posso acumular tudo aquilo que tenho. Às vezes, lembro-me de imagens de casas completamente sobre-lotadas de tralha, de todo o tipo possível e imaginável, que se vêem em alguns programas americanos e ponho-me a pensar se será assim comigo... Será que à medida que for tendo mais espaço para mim, guardarei cada vez mais coisas pelas memórias que delas decorrem? I hope not.


Será que todas nós nos revemos nisto?:

"Há uma regra que diz que usamos 20% da nossa roupa 80% do tempo. Assim, tem de certeza muitas peças no roupeiro que já não usa, ou porque não serve ou porque não gosta. Se assim é, essas peças são tralha para si (...)"

16 de janeiro de 2012

A lista das 366 coisas para uma vida mais verde por Vanessa Farquharson

Na minha procura acerca de coisas a fazer para reduzir a minha pegada ecológica encontrei o site Green as a Thistle escrito por Vanessa Farquharson, autora do livro Dormir Nú é Ecológico. Lembro-me de, há uns anos, ouvir falar sobre este mas nunca o tive nas mãos (está a 16,66€ na Fnac e na Presença, a 9,58€ na Book Depository e em segunda mão a 1,20€ na Amazon).

@ Green as a Thistle

No tal blog encontrei uma lista de 366(!) coisas que a autora já alterou no seu dia-a-dia para diminuir a sua pegada. Decidi seguir todas essas sugestões no meu dia-a-dia, implementando uma de cada vez. Claro que algumas delas não fazem qualquer sentido para mim, tais como:

46. Consuming only locally brewed beer, organic when possible. Eu nem sequer bebo cerveja.
48. Investing in permanent laser hair removal rather than shaving or waxing forever. Deve ter havido uma mulher na minha família com uma mutação qualquer a este nível e, desde então, a minha ascendência feminina, e eu própria, não nos podemos queixar...
57. Switching to natural shaving cream. Idem, aspas.
65. Giving up gum (especially the over-packaged kind). Desde que o meu professor de Biologia nos explicou como o mastigar pastilha-elástica causa a erosão do glicocálice das células da superfície estomacal e, consequentemente, a maior propensão de desenvolver úlceras, nunca mais fui capaz de comer uma pastilha-elástica... 
73. Not using the air-conditioning in my car. Nunca uso. Usar ar-condicionado no carro dá direito a uns cinco dias constipada, já sei o que a casa gasta...
96. Sleeping naked. Serei a única pessoa que não consegue dormir nua? 
102. Not using nail polish (or nail polish remover). Não consigo imaginar-me sem pintar as minhas unhas. Assunto arrumado.

Enfim, existem mais umas na lista que ou não se aplicam ao nosso país ou cidade ou que, por enquanto, não me vejo a ceder como no tal exemplo de deixar de pintar as unhas...

Vou estudar a lista com atenção, riscar todas as sugestões que já cumpro e a partir daí escolher as próximas a implementar. Vamos lá ver como a coisa corre :)

Se viver uma vida mais verde também vos inspira, podem conhecer a lista da Vanessa aqui.

15 de janeiro de 2012

Tangle Teezer


Encontrei, no blog Dias em Rosa da Mari, uma crítica à Tangle Teezer (wish list #1) que me chamou a atenção. A crítica é de uma compradora e, portanto, "independente".

Decidi, finalmente, comprar o produto depois de ter lido essa opinião que me inspirou confiança. Para além disso, a Mari foi super atenciosa e respondeu logo à minha questão. Eu queria saber onde a tinha comprado. Isto porque, como já devem saber, gosto sempre de comparar preços e ter a certeza que assim que compre um produto não vou esbarrar com um igual a metade do preço...

Portanto, comparando os únicos locais de venda da Tangle Teezer que até agora conheço - e procurei-a por muitas lojas de produtos de cabelo e nada! - está a 16,50€, mais coisa menos coisa, no site da revendedora em Portugal e a 14€ na Asos, com os portes grátis em ambos os casos. Como já sou cliente da Asos e nunca tive motivo de queixa, nem pensei duas vezes. Na Asos, está disponível em duas cores, preta e rosa. Eu comprei a rosa.

Na embalagem diz: "Gentle, Effortless, Detangling for both wet and dry hair. Increases Shine Noticeably. Lose the Tangles not your hair". Verdade ou Mentira?


A minha intenção de compra:
Depois de ter pintado muitas vezes o cabelo, este passou de oleoso para "misto" (continua a ter tendência para ser oleoso nas raízes mas é seco da metade para baixo). A maior dificuldade com o meu cabelo era penteá-lo pela primeira vez após a lavagem. Ele criava nós, enrolava de tal maneira que eram necessários uns vinte minutos, e muitas lágrimas, para domá-los e na escova ficava uma quantidade tal de cabelo, que me metia medo. Portanto quando li sobre a Tangle Teezer pareceu-me demasiado boa para ser verdade mas acabei por ceder e acreditar que ainda havia esperança para os meus cabelos...


A Tangle Teezer faz o que promete?
A escova superou as minhas expectativas! Agora consigo escovar o cabelo em menos de cinco minutos, sem qualquer dor, estando seco ou molhado. Ao contrário do que diz na embalagem, perde-se cabelo na escovagem mas é numa quantidade mínima por isso não me senti enganada. Dei-me ao trabalho de investigar a coisa com alguma precisão e concluir que ao escovar o cabelo molhado (actualmente, tenho o cabelo comprido) com a Tangle Teezer perco à volta de 15-25 fios de cabelo. Com a escova normal a minha estimativa (por baixo) era uns 300...Quanto ao brilho do cabelo também se confirma. Quando o escovo, estando seco, fica com mais brilho e com um toque sedoso, que se mantém bastantes horas.


Mais coisas sobre a Tangle Teezer:
  • para obter o melhor efeito deve ser usada exercendo pressão; pode ser usada desde a raiz do cabelo.
  • a escova deve ser guardada com os dentes para cima para evitar estragos nestes.
  • para limpá-la basta usar água morna; para uma limpeza mais a fundo junta-se um pouco de champô.
  • não deve ser usada sobre cabelo quente pois o calor danifica os dentes.

Voltaria a comprar este artigo?
Sem dúvida. Pondero comprar uma Tangle Teezer de tamanho pequeno para ter na mala!


14 de janeiro de 2012

Para um blog onde "o menos é mais"



Há uns dias atrás comprei um livro que a minha mãe já andava a namorar há uns tempos, Power of Less, de Leo Babauta. Como a minha mãe não tem grandes amores pela língua inglesa, estou a ajudá-la a traduzir o livro para português para poder lê-lo sempre que quiser. Volta e meia, é a minha mãe a traduzir um artigo em francês para mim, língua que quero muito reaprender...

Ao ir corrigindo ou acelerando o processo de tradução do livro, acabo por lê-lo também e já me sinto contagiada por esta temática do minimalismo, seja material, mental ou emocional.

Decidi começar a aplicar algumas das poucas coisas que já li, aqui, no blog. 
Quando o criei foi algo espontâneo. Não pensei se iria escrever acerca de um só tema ou de vários assuntos. Pensei apenas escrever consoante o meu dia-a-dia, sobre coisas que me inspirassem, de que gostasse muito ou que quisesse partilhar. Passado uns três meses, sinto isso mesmo, que o blog fala sobre um pouco de tudo e sobre nada em concreto. Algo que, pessoalmente, não me agrada. Decidi, então, focar o blog em temas mais específicos. Restava saber quais.


Fiz uma lista dos temas que mais me interessam, aqueles que me dão mais prazer aprender, explorar e partilhar. Surgiram demasiados para um só blog que pretende ser mais concreto. Pesquisei na internet e encontrei um artigo que dava dicas para a escolha dos temas de um blog. Li que devemos pensar se daqui a seis meses, ou um ano, ainda nos vemos a escrever sobre essas mesmas coisas. A partir desta dica foi fácil riscar muitos dos temas que tinham surgido, simplesmente porque achei que seria um tédio passar tanto tempo a falar sobre eles. O tema que, ao riscar, me deixou mais perplexa foi "moda". Eu gosto de moda, gosto de ver as montras, gosto de conhecer as novidades e entre os meus 16-20 anos posso dizer que gastei bastante dinheiro em roupa, sapatos, botas e acessórios. Mas essa fase louca passou. Sou vaidosa e, regra geral, tenho bastante cuidado com a minha imagem mas daí a gastar horas a explorar este mundo vai uma grande diferença. Já para não dizer que a blogosfera tem milhares de blogs sobre este tema e o meu não iria fazer diferença alguma. Sejamos sinceros.


Que temas sobraram? Poucos. E estes poucos podem ser agrupados em duas categorias: aqueles sobre os quais já aprendi alguma coisa ou que conheço relativamente bem e outros que estou agora a descobrir e que gostaria de explorar.

No primeiro grupo tenho a nutrição, actividade física e saúde no geral. Pratiquei durante muitos anos yoga e artes marciais e sinto um fascínio pela meditação. Leio também bastante e gosto de partilhar sobre os livros que vou conhecendo.

No segundo grupo tenho alguns temas que estão interligados entre si, uma espécie de anti-materialismo (provavelmente decorre dos anos de prática de yoga). Gosto muito dos temas ligados à preservação da natureza e do ambiente, trabalhos manuais, formas de poupar tempo e/ou dinheiro. Gosto de cozinhar, de preferência coisas simples, rápidas mas muito saborosas (e quero aprender muito mais) e de decoração bonita mas minimalista.


A minha resolução para os próximos dias, em paralelo com os quilos de informação que ainda tenho de estudar para os restantes três exames, é direccionar o blog para estes temas.


Às visitas mais regulares, espero não vos desiludir com esta decisão. Aos que por cá continuarem e aos novos visitantes, serão sempre muito bem-vindos. Os vossos comentários e as vossas sugestões tornam toda esta partilha muito mais especial. Obrigada!

Mousse de Maracujá

Há uns três meses atrás fiz uma mousse de maracujá cuja receita encontrei na própria lata da polpa de maracujá. Era uma receita rápida e o resultado delicioso. Tão delicioso que a minha mãe que odeia mousses, à excepção da de chocolate, adorou esta. Há uns dias lembrei-me da mousse e apeteceu-me repetir a experiência, nisto apercebi-me que não tinha guardado a receita, nem sequer me lembrava das quantidades.
Ontem fui a três supermercados diferentes à procura da tal lata que continha a receita e lá a encontrei! Mal cheguei a casa fiz a mousse e agora venho partilhar convosco a receita:

Ingredientes: 1 lata de polpa de maracujá, 1 lata de leite condensado, 2,5 dl de natas, 5 folhas de gelatina branca, 1,5 dl de água

Preparação:
1 - Dissolver a gelatina em 1,5 dl de água quente e deixar arrefecer.
2 - À parte, numa taça, misturar e bater a polpa de maracujá com as natas e o leite condensado
3 - Por fim, juntar a gelatina e levar ao frigorífico 24 horas.

A parte que demora mais na receita é aquecer a água e dissolver a gelatina! Quanto ao tempo no frigorífico, claro que quanto mais fresco, melhor sabe, mas passadas umas três horas já dá para saborear.

Tenho uma foto da mousse, da primeira vez que a fiz. Desta vez, decidi coar um pouco a polpa para evitar as sementes de maracujá. Pessoalmente, acho que fica melhor sem elas mas cá em casa ficaram com pena que as tirasse. Quanto à foto desculpem a parte não artística da dita cuja, fiz a mousse directamente na taça (I know, I know...) e nem a limpei pelo final (no master chef dava direito a expulsão imediata). Mas pronto, aqui está:


12 de janeiro de 2012

Reciclagem, não ouviram falar?

Hoje li nesta notícia do Público que cada português produz, em média, 512 quilogramas de lixo. Custa-me acreditar neste valor, nem consigo visualizar a quantidade de sacos de lixo que isso implica. E o que ainda me choca mais é saber que 85% desse lixo é recolhido indiferenciadamente.

Se eu pudesse ia, pessoalmente, a casa de todo o habitante explicar como se faz a reciclagem. Irra!

Doar Arroz é Fácil


Eu acabei agora mesmo de doar um quilo de arroz de uma forma muito simples. No site Free Rice, por cada resposta certa que derem estão a doar 10 gramas de arroz. As questões são de escolha múltipla e existem alguns temas disponíveis como, por exemplo, sinónimos em inglês, matemática, química e literatura. 

Toca a jogar e a doar :)




11 de janeiro de 2012

Na semana em que eu nasci, ouvia-se...

Depois da febre inicial do Facebook, com o qual perdia pelo menos uma hora diária, comecei a pensar nas horas que perdia com isto e no que poderia estar a fazer, agora só faço uma visita semanal ao dito cujo e de curta duração.

De vez em quando aparecem uns desafios que acho engraçados. Hoje encontrei um que nos desafiava a encontrar a música que estava em primeiro lugar no top da Billboard na semana em que nascemos e partilhá-la. Num minuto descobre-se a música neste site - basta seleccionar pela ordem mês, dia e ano - e o link para o Youtube.

A música da minha semana de nascimento é Footloose de Kenny Loggins:


Eu acho que explica muita coisa...

E a vossa, qual é? :)

10 de janeiro de 2012

E de que cor visto as janelas? - Parte II

Encontrei um site de decoração que tem imensas imagens organizadas pelas divisões da casa. Pesquisei a cozinha à procura de soluções para "vestir" as janelas mas muitas delas encontravam-se nuas. Eram lindas, através delas podiam ser deslumbradas paisagens como um rio, um jardim, uma praia. No meu caso, das janelas da cozinha vejo um prédio semelhante ao meu de dez andares. Sempre gostei de ter a minha privacidade, quando uma amiga minha me contou que a irmã se tinha divorciado porque o marido começou a ter um caso com a vizinha do mesmo andar do prédio da frente as cortinas passaram a ter uma nova função. Nem eu quero ser catrapiscada por um vizinho da frente, nem quero que uma mulher se divirta a ver o meu super-homem de boxers a beber um copo de água a meio da noite.

Encontrei no tal site, Eu Decoro, mais umas quantas janelas vestidas, entre as quais a preferência parece ser as cortinas japonesas. Eu não sabia se ia gostar muito do seu aspecto na cozinha - estou habituada a vê-las na sala - mas estou convencida, acho que ficam um mimo. Agora resta saber a cor que vou escolher.

Sei que não quero um plain white, a cozinha tornar-se-ia num corredor de hospital. Os móveis da cozinha são brancos com portas de madeira e os dois balcões são também brancos com um rebordo dessa mesma madeira. Apesar de ter gostado dos estores de pano com padrão, da segunda foto, como tenho muitas janelas, acho que seria cansativo, a não ser que encontrasse um padrão com motivos bastante mais pequenos...

Vou cuscar o site da ikea para ver o que lá têm...





A Roupa para as Janelas - Parte I

As obras lá de casa, desde que entrámos no ano novo, ganharam um novo ritmo. Se tudo continuar a correr assim, pelo início de Fevereiro tenho a casa pronta para ser decorada. O soalho está a ser tratado e os rodapés já foram colocados em toda a casa.

A decoração também já tem um ponto de partida definido: as janelas da cozinha. Acho que já contei que na cozinha tenho janelas ao longo de toda a parede virada a oeste, no Verão lembro-me que era impossível estar na cozinha tal era o calor.

Eu ainda não me decidi entre estores, cortinas comuns ou japonesas. Ainda nem pensei bem nas vantagens e desvantagens de cada, além da dificuldade em limpar os estores, ripa a ripa - vejo o trabalhão que a minha mãe tem com elas - e os preços. Cortinas comuns não me parece devido à quantidade de janelas em questão, iria ficar uma piroseira. Se conseguir encontrar as japonesas de tamanho adequado será uma boa opção pois, passados anos, quando já estiverem velhotas, é trocá-las. Se tiverem de ser feitas à medida, já fica bem mais caro e trocá-las deixa de ser uma opção viável.

Fui procurar inspiração.

Minimalisti

Kunz Design

John Moore

O Poliglota

8 de janeiro de 2012

Pegada Ecológica #1

Inspirada ou pelas resoluções de 2012 ou pelos exames à porta, que dão sempre imensa vontade de fazer todas as coisas que vou adiando, já pus em prática algumas formas de poupar água:
  • Desmontei o autoclismo de uma sanita que estava constantemente a pingar e depois de apertar todos os parafusos do mecanismo no seu interior, consegui pôr o fim a este desperdício.
  • Antes de fechar o autoclismo, coloquei três garrafas de meio litro no interior, para poupar água nas descargas. Não sabia se tinha exagerado na quantidade de garrafas mas já deu para perceber que está a funcionar bem.
  • Passei a tomar duche com um balde junto a mim. A primeira vez foi estranha mas já me habituei à nova companhia. Poupo sempre um balde que dá para umas 4 descargas na sanita. Nunca pensei que fosse possível economizar tanta água desta forma!

Para além destas iniciativas, continuo a usar o copo para lavar os dentes e decidi mudar de papel higiénico. Descobri o reciclado. Tanto o Continente como o Pingo Doce têm-no disponível e, ao contrário do que é costume com os produtos reciclados, esta opção fica mais barata.

7 de janeiro de 2012

Comércio: De regresso aos tempos antigos?

Li no jornal i online que as lojas estão a rescindir os contratos com os bancos e o serviço de pagamento multibanco já teve melhores dias. Parece que cá por Portugal os comerciantes pagam 1% da sua facturação enquanto Espanha paga 0.

Imagino que haja pessoas que vão insurgir-se contra esta medida. É raro ver alguém pagar a dinheiro e, eu própria, quando pago desta forma sinto-me uma ave rara.

Eu prefiro pagar a dinheiro. Apesar de controlar as despesas que faço com o cartão, quando pago com dinheiro fico mais atenta, mais sensível à quantidade que estou a gastar. É muito mais fácil carregar numa tecla que tirar uma nota de cinquenta euros da carteira e ver uns míseros trocos a voltar para trás. Acredito que se poupa muito mais vendo e sentindo o dinheiro do que usando um cartão.
Já o meu irmão, quando era muito pequeno e não percebia como a coisa funcionava tinha sempre umas saídas do género: "Trouxeste o cartão de plástico??? Assim posso levar os brinquedos todos, não posso?". A primeira vez que ouvi isto, fui apanhada de surpresa e fartei-me de rir. Mas dá que pensar....

E vocês? Quando vão às compras, usam mais o cartão ou preferem pagar a dinheiro?
Acham que quando pagamos a dinheiro poupamos mais?


Mais sobre a notícia aqui.

5 de janeiro de 2012

Será "perder peso" a resolução mais popular?

[

Vidmir Raic

]


Quem já teve a curiosidade de ler os primeiros posts do blog sabe que estou indecisa entre tirar um mestrado na área da cosmética ou na nutrição. Apesar de ainda faltar um ano, sempre li e tentei aprender o máximo possível sobre nutrição e todas as aulas que tenho na faculdade sobre o funcionamento do corpo humano e como actua cada tipo de alimento no nosso organismo são as que mais me atraem. Se soubesse o que sei hoje, quando estava no secundário teria organizado os meus estudos para ir para medicina mas na altura, que só via matemática e física à minha frente, nunca pensei tornar-me tão fascinada pelo corpo humano. Ainda não pus a ideia completamente de lado mas tendo em conta os anos de estudo que "perdi" por mudanças de curso e estar prestes a mudar de casa para ir viver sozinha, é muito importante começar a trabalhar e ganhar dinheiro suficiente para pagar as contas certas da vida: electricidade, água, comida e saúde. Só depois irei ponderar sobre tirar uma segunda licenciatura....

Pondo de lado o meu jeito natural para divagar e voltando à questão inicial... Muitas das listas de resoluções que tenho lido incluem sempre "perder peso".

A meu ver, esta resolução só pode partir de duas situações diferentes: ou a pessoa nunca se consciencializou acerca do seu peso e foi ignorando-o até hoje; ou é alguém que pretende perder peso há já algum tempo mas, simplesmente, não tem conseguido, quer por condições físicas, quer por fazê-lo da forma errada.

Eu também já fui considerada obesa... Quando parei toda a actividade física que fazia até então e não ajustei a minha alimentação à nova realidade, ganhei 20 quilos na balança em, apenas, três meses. Eu, que nunca tinha engordado desta forma, não tinha consciência do quão era difícil perder peso e pensava que, da mesma forma que o tinha ganho, iria perdê-lo num instante. Descobri, por experiência própria, que não era bem assim... Também eu senti que até o ar me engordava. Comecei a ler, a pesquisar, a requisitar livros na minha faculdade sobre o assunto e acabei por descobrir uma área que achei fascinante e que, até ali, passava-me completamente ao lado. Não era só a nutrição em si, mas tudo aquilo que conseguia interligar com o que aprendia nas aulas - todas as reacções químicas e biológicas que ocorrem no nosso corpo - e ainda a psicologia. Enfim, um mundo para explorar.

Ontem, enquanto lia os posts mais recentes dos blogs que sigo no Reader encontrei um pedido de ajuda da Orquídea, que podem ler aqui. Até hoje só tenho ajudado amigos e familiares a perder peso e é algo que me preenche, fico muito feliz ao ver o sorriso deles quando olham para a balança e perderam mais um quilo ou quando me dizem que se sentem melhores e que se mexem com mais facilidade, sem se sentirem tão cansados. Resolvi então ajudar a Orquídea, é a primeira vez que vou fazer isto através de troca de e-mails, não sei se terá o mesmo impacto, mas tentar não custa!

E tu, também já colocaste na tua lista de resoluções "perder peso"?
Gostavas de ver algumas dicas de nutrição e fitness no blogue?

3 de janeiro de 2012

20 dicas para poupar água

Quando partilhei o primeiro conflito que tive com um colega de laboratório, devem ter percebido a importância que dou à água e ao consumo consciente desta. Eu estou mesmo decidida a levar em diante as dez resoluções que criei para 2012, entre as quais poupar (ainda) mais, e vou partilhar sempre convosco todas as pesquisas que fizer e coisas que aprender quanto aos assuntos que vos possa mais interessar.

Canteiro que a Rita usa para reservar a água das chuvas

No dia 31 de Dezembro, inspirada pelo post da Rita sobre formas de poupar e reutilizar a água para outros fins, comecei a usar um copo sempre que lavo os dentes. Em vez de ter a torneira a correr, encho à partida o tal copo com água e já cheguei à conclusão que só preciso de metade deste para a lavagem dos dentes. O número de litros que se poupa desta forma é brutal, como podem verificar pelas contas da Rita.

Independentemente daquilo que vos faz querer poupar água - poupar na conta de água, diminuir a pegada ecológica ou ambos - deixo-vos vinte dicas para poupar água que fui reunindo até hoje.


20 dicas para poupar água:
 



  • Reservar água da lavagem de mãos e usá-la em vez do autoclismo.
  • Tomar um duche em vez de banho. Poupa-se mais do dobro da água desta forma.
  • Reservar a água fria inicial no duche para regar as plantas.
  • Regar as plantas de manhã ou de noite e nunca nas horas de maior calor.
  • Fechar a torneira enquanto se lava a loiça, as mãos, os dentes, no duche e a lavar o cabelo.
  • Diminuir o tempo de duche – um único minuto faz diferença.
  • Usar um copo para lavar os dentes (no blog daRita podem ver quanto poupam com esta sugestão, é de ficar de boca aberta).
  • Verificar sempre se a torneira ficou bem fechada.
  • Verificar se há fugas de água na cozinha ou casa-de-banho e, caso existam, procurar uma solução. Uma forma fácil de verificar as fugas é manter as torneiras e máquinas desligadas durante uma hora e comparar os valores no leitor.
  • Colocar duas garrafas de água cheias de areia dentro do autoclismo para poupar na quantidade de água de cada descarga.
  • Deitar lenços, toalhitas de cara, e outros semelhantes, no lixo e não na sanita.
  • Lavar as peças de fruta e vegetais num alguidar com água e não com a torneira aberta.
  • Não usar a água para ajudar no descongelamento de produtos alimentares. Deixá-los a descongelar à  noite ou usar um programa próprio do microondas.
  • Usar a máquina de lavar roupa e loiça apenas quando estão cheias.
  • Usar água fria para lavar a roupa de cor. Poupa-se água e a cor da roupa.
  • Não comprar brinquedos às crianças que necessitem de água para funcionar (exemplo: pistolas de água)
  • Reservar a água da chuva e usá-la, por exemplo, no autoclismo ou na rega das plantas.
  • Lavar o carro com um balde cheio de água e uma esponja. Recorrer à mangueira só no final.
  • Reportar, de imediato, uma fuga de água que vejam na rua para que o conserto seja feito o mais cedo possível.
  • Partilhar com a família, amigos e vizinhos formas de poupar água e a sua importância, para que se tornem conscientes quanto ao desperdício de água e passem, ele próprios a poupá-la também.



    2 de janeiro de 2012

    You won't miss these #3

    Tal como eu, muitas outras pessoas fizeram uma lista de resoluções para 2012. 


    Encontrei, há pouco, uma que quero partilhar convosco, achei-a fantástica. É da autoria da Raquel do blog Teenie Weenie Yellow Polka Dot Bikini e podem espreitá-la aqui.

    Cultura por tostões


    Sendo uma grande fã da Kate Winslet, este é o próximo filme que pretendo ver no cinema. Se tudo correr conforme o planeado, amanhã pelo final da tarde estou a comer um pacote de pipocas do pingo doce (gosto imenso e custam uns 80 cêntimos) a meias com o meu amor num cinema da Zon (ele tem cartão e fica por 2,50€ a cada um). Sempre a poupar ;)



    Para quarta-feira também já tenho planos. Ganhei um bilhete duplo para a peça "A Farsa da Rua W". Eu bem disse que queria ir mais vezes ao cinema, ao teatro e a exposições, sendo esta uma das minhas resoluções para 2012, mas também disse que ia poupar mais!


    Estas são as minhas primeiras duas sugestões. E vocês, também costumam participar em passatempos para ganhar bilhetes e poupar uns belos euros pelo final de cada mês?

    Contêm-me os vossos truques! :)
    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...